Temas quentes

Hotel do Dakota do Sul tem de pedir desculpa aos nativos americanos por proibição "racista

O Grand Gateway Hotel vai apresentar um pedido público de desculpas aos nativos americanos como parte do seu acordo com o governo federal.

FitJazz
8 de Abr de 2024
2 min ler
Notíciascasino
Fazer uma promessa: Connie Wuerl (na foto) foi considerada culpada de duas acusações de agressão....aussiedlerbote.de
Fazer uma promessa: Connie Wuerl (na foto) foi considerada culpada de duas acusações de agressão por ter usado um conhecido spray de pó para atacar manifestantes..aussiedlerbote.de

Atenção!

Oferta limitada

Saiba mais

Hotel do Dakota do Sul tem de pedir desculpa aos nativos americanos por proibição "racista

Os proprietários de um hotel-casino do Dakota do Sul que proibiu a entrada de índios na propriedade têm de pedir desculpas publicamente aos grupos tribais do estado e de toda a região das Grandes Planícies. Faz parte de um acordo para resolver uma ação judicial do Departamento de Justiça que alega violações da Lei dos Direitos Civis de 1964 no Grand Gateway Hotel em Rapid City.

Entretanto, a chefe Connie Uhre, de 75 anos, que definiu a política racista, será proibida de ser directora da empresa durante quatro anos e de exercer quaisquer funções de gestão no hotel.

Em março de 2022, Uhre escreveu num post do Facebook que "não permitiria mais a presença de nativos americanos nas nossas propriedades, incluindo o bar desportivo Cheers", um serviço prestado pelo Terminal de Lotaria de Vídeo (VLT).

Nesse mesmo dia, o seu filho, Nicholas Uhre, enviou um e-mail num tom semelhante, queixando-se: "Não conseguimos distinguir os maus dos bons, por isso temos de lhes dizer não", dizem os documentos do tribunal.

Tiroteio fatal

Os anúncios foram feitos um dia depois de um tiroteio num quarto de hotel. O suspeito, Quincy Bear Robe, e a vítima, Myron Blaine Pourier Jr., são ambos nativos americanos. Poirier morreu no hospital duas semanas após o tiroteio e, no final de outubro, Rob declarou-se culpado de homicídio involuntário em primeiro grau. Está a aguardar a sentença.

A política do hotel causou um grande alvoroço e deu origem a vários processos judiciais sobre direitos civis e a uma série de manifestações de grupos de nativos americanos e dos seus apoiantes.

Os membros de um desses grupos, o NDN Collective, tentaram reservar um quarto no hotel para testar a política e foram confirmadamente recusados.

No início deste mês, Connie Uhre foi considerada culpada de duas acusações de agressão por ter pulverizado um manifestante na cara com um frasco de spray de pó Pledge.

O Gateway Plaza foi encerrado no auge da polémica, mas já reabriu.

"A Animação Nua e Crua"

"A conduta dos arguidos neste caso foi flagrante, motivada por uma hostilidade total e equivaleu a uma proibição total de acesso dos utentes nativos americanos às instalações públicas", afirmou a Procuradora-Geral Adjunta Christine Clark da Divisão dos Direitos Civis do Departamento de Justiça dos EUA. E acrescentou: "Tais actos de ódio contribuem para uma longa e dolorosa história de estereótipos negativos e marginalização das comunidades indígenas americanas".

Clark elogiou os anciãos tribais, as autoridades locais e os grupos de nativos americanos que se manifestaram contra o "comportamento vergonhoso" do hotel. Ela disse que o acordo enviaria uma mensagem às empresas em todos os Estados Unidos de que "a porta deve estar aberta a todas as comunidades, independentemente da raça".

Leia também:

Fonte: www.casino.org

Atenção!

Oferta limitada

Saiba mais